Arquivo da categoria: Bernard Cornwell

Épico demais: O Condenado, de Bernard Cornwell

Aproveitando que a internet bipolar daqui tá funcionando, vamos lá… Eu li esse livro no final de Janeiro, mas só fiz a resenha agora. Próximo post será só-deus-sabe-quando. Torçam para a internet funcionar!

Bernard Cornwell nos mostra que é capaz de escrever um romance policial com O Condenado – e que o faz com maestria.

Rider Sandman é um ex-soldado que participou da batalha de Waterloo e que hoje está com o nome manchado por causa de dívidas de seu pai. Tem princípios bem claros e um certo temperamento, mas é corretíssimo e dedicado em tudo o que faz. Ele se vê em uma situação difícil quando é convidado pelo Ministro do Interior para fazer uma investigação sobre o assassinato de uma duquesa – mas só “pro-forma”, para poder mostrar que pelo menos tentaram. Mas, por ser correto, Sandman começa a investigar e descobre que há muito mais por trás dessa histórias do que aparenta. A sua única certeza é da inocência do rapaz que foi preso. Mas ele será enforcado em uma semana e se não descobrirem o culpado até lá, mais um inocente terá sido morto em Newgate.

O livro é de uma narrativa rápida e fluida, seguindo Sandman pelos mais diversos lugares da Inglaterra pós-revolução francesa. Não é a primeira vez que Cornwell escreve nessa época, porque os livros do Sharpe são conteporâneos em período, mas a forma que ele aborda é completamente diferente. Para quem está acostumado ao Cornwell batalhas-exército-sobrevivencia, é uma surpresa ver como ele consegue construir muito bem um mistério policial. Há sim o elemento do exército, uma vez que Sandman e um dos companheiros de investigação dele são ex-soldados, mas isso só contribui para dar dinamismo às cenas de ação e torná-los mais espertos e escorregadios.
Outro aspecto interessante do livro é que, como todos os outros do Cornwell, você aprende bastante. Eu particularmente não sabia os detalhes sobre os enforcamentos por crimes e nem imaginava que eram todo o espetáculo que é descrito no livro. Talvez por isso, não sabia que havia tanta negligência na época quanto ao julgamento e tanto jogo de interesse. É interessante também observar alguns comportamentos e a óbvia e descarada corrupção que imperava no sistema de punição da Inglaterra da época.

Ah, e é extremamente nojento a parte dos rins condimentados. Depois de ver alguém sendo enforcado, eu tenho certeza que a última coisa que eu gostaria de comer seriam rins condimentados.

Enfim, o livro é uma aula e uma diversão, ao mesmo tempo. Vale muito, muito a pena, principalmente se você gosta de romances históricos de mistério.

2 Comentários

Arquivado em Bernard Cornwell, livro, resenha