Arquivo da categoria: Livros

Vivo sumindo no tempo e do tempo…

Eu sempre prometo, prometo e nunca volto. É uma coisa impressionante, né? Mas eu sempre acabo consumindo o meu tempo em estudo ou leitura ou ainda jogando Mafia Wars no Facebook (é uma vergonha, eu sei). Ou ainda vendo Supernatural, Glee, Flash Foward e Vampire Diaries, ou arrumando eventos de lançamnto, ou ainda indo ao cinema ou a festas… e no final, o pobrezinho do meu blog fica às traças! Comolidar//
Já devem ter se acostumado com essa inconstância e quem me conhece sabe bem que sou assim na vida real. Nunca estou satisfeita com o que está acontecendo, sempre quero mais e nunca fico ancorada no mesmo porto por muito tempo. A rotina meio que me irrita e me entedia e talvez seja por isso que eu precise de uma multidisciplinaridade e-

the-time-travelers-wifeEnfim, deixando a filosofia de lado, a citação acima é uma adaptação do livro que estou lendo agora, A mulher do Viajante do Tempo. Eu o comprei quando fui para a Inglaterra (07/2008) e só estou lendo agora e como me arrependo disso! Eu deveria ter lido assim que comprei, porque o livro é simplesmente maravilhoso. Cada página, cada frase, cada palavra é construída de uma forma tão bela que me dá aquela sensação gostosa, sabe? Poucos livros conseguem despertar esse tipo de sentimento aconchegante em mim enquanto leio.  É uma história de amor perfeita para mim, sem clichês ou convenções, completamente inesperada. Henry e Clare são ótimos protagistas e são como pessoas de verdade. Depois de tanta literatura de vampiro, é bom respirar um pouco com uma história de pessoas “normais”. Há sim o elemento da ficção, mas o livro é primeramente sobre um casal tentando conviver com a certa “deficiência” que abate Henry: a incapacidade de ficar no tempo em que está. Com isso, Clare o conhece quando tem 6 anos. Ele tem 38. E ele a conhece quando tem 28 anos – e ela já o conhecia por 12 anos antes disso.

Eu recomendo^-^ Quando eu terminar, vejo se continuo recomendando… tenho más experiências com livros bons que acabam sendo bombas!

Mudando de assunto da minha leitura atual para… minha lista de livros! No início desse ano eu fiz uma meta pessoal: anotar todos os livros que eu lesse no ano de 2009. Farei o mesmo em 2010, porque é bem divertido olhar para ela e relembrar! Alguns livros da lista parecem para mim que foram lidos a anos quando na verdade fazem poucos meses. Outros, acho que li faz pouco tempo mas fazem MUITOS meses! Acho interessante ver como os livros que eu gosto ficam mais marcados do que os outros (dã, óbvio). Vou colocar ela aqui em duas partes, porque ela é imensa!  Primeira parte até junho, segunda de junho até outubro, ok?

1) A Rainha da Fofoca – Meg Cabot
2) Lunatic Cafe – Laurell K. Hamilton
3) Stonehenge – Bernard Cornwell
4) Supernatural – The Bone Key – Um cara aí =P
5) Good Omens – Neil Gaiman & Terry Pratchett
6) Código 692 (comentado aqui)
7) Pegando Fogo – Meg Cabot
8) Delírios de Consumo de Becky Bloom
9)Artemis Fowl e o Paradoxo do Tempo – Eoin Colfer
10) Orgulho e Preconceito – Jane Austen
11) Blue Bloods – Melissa de La Cruz
12) A Estrada da Noite – Joe Hill

Tem mais 17 no segundo semestre até agora… Alguém quer adivinhar quais são? A mulher do viajante do tempo não está inclusa, eu ainda nem li. E isso sem contar os que eu comecei mas deixei pra depois! Ah, eu li mais no segundo semestre porque estou fazendo menos matérias, logo tenho mais tempo livre!

Enfim, mais alguma coisa ainda nesse feriado ^-^

Deixe um comentário

Arquivado em Livros

Não há nada mais criativo do que a relidade.

O livro que estou lendo agora é 1984, do George Orwell. Estou bem perto do final da parte dois e só mais uma parte e acabo. Eu sei que disse alguns posts atrás que falaria do combo 1984+Muse quando terminasse o livro, mas não consegui me controlar. Vamos lá, do início.


+Mil novecentos de oitenta e quatro.

1984-capa1

O livro foi terminado  em 1948, mas começou a ser escrito dois anos antes. Inicialmente, deveria se passar em 1980, mas com o autor demorou escrevendo mudou para 1982 e no final ficou 1984, que é a inversão dos dois últimos dígitos de 1948, percebam a sutileza.
1984 se passa num futuro (para a época que foi escrita. Hoje em dia é “passado”) em que todos os países se uniram e só existem três Estados no mundo: Oceania, Eurasia e Estasia. O livro se passa na Oceania, em sua capital, Londres. A Oceania é controlada pelo “Partido” e o seu grande líder é o Grande Irmão (Big Brother). Todos os membros do partido são observados por meio de um dispositivo eletrônico chamado Teletela que não pode ser desligado e transmite 24 horas por dia a propaganda do regime. Além disso, as pessoas que cometem o “thoughtcrime” (crimidéia, em português) que é basicamente contrariar o governo em pensamento ou ainda saber demais sobre o funcionamento deste desaparecem. Um belo dia somem e todas as menções à ela desaparecem, todos fingem que ela nunca existiu. O Thoughtcrime é a morte e o eventual destino de todos os membros do partido.
Por outro lado, existem os “proles”, que são o “proletariado”. Diferentemente dos membros do partido, essas pessoas vivem como querem e a maioria é tão pobre que não podem sequer comprar teletelas, então sua vida é muito mais livre. Só que eles são considerados animais pelo partido, os animais de carga que carregam a Oceania e que são burros e incapazes de pensamentos.

Depois de uma pincelada no mundo em que se passa, vamos à história. Winston é um funcionário do Ministério da Verdade, encarregado de reescrever e modificar artigos de jornais antigos com novas informações. Ele começa a se questionar sobre várias coisas e passa da indiferença à revolta. Mais ou menos nessa época, ele conhece Júlia, uma “rebelde da cintura para baixo”, que contraria todas as leis que não gosta. Eles têm uma certa diferença de idade e isso resulta em algumas discussões fascinantes entre os dois.

Bem, leiam. É talvez o melhor livro que eu já li na minha vida. Se quiserem saber mais, aqui na Wikipedia tem mais detalhes sobre a trama e tudo o mais. Ah, o George Orwell também escreveu outro livro ótimo, A Revolução dos Bichos. Vale a pena ler os dois e se lembrar um pouco das aulas de história para fazer as relações. Outra coisa interessante é ver como algumas manipulações que ele descreve acontecem hoje em dia e como o comportamento geral da população é bem parecido com os dos que são “manipulados” pelo governo…

Ah, e lembrem-se sempre do lema do Partido:

Guerra é paz,
Liberdade é escravidão,

Ignorância é força.

+ The RESISTANCE!

00026211É o nome do novo CD do Muse que é baseado em… 1984! Mas não só nisso. De qualquer forma, a tracklist já foi divulgada aqui anteriormente e tem “United States of Eurasia” (Eurasia, oi?), que além de se referir a 1984 também se refere a uma teoria política qualquer (não vou entrar no mérito porque não é minha praia) do Grande Xadrez geopolítico… Além disso, a outra música que saiu, Uprising (o single) tem como letra “Eles não vão nos forçar. Eles vão parar de nos degradar. Eles não irão nos controlar. E nós seremos vitoriosos”.

Ou seja, o que esperar desse cd? Considerando que há um “monstro sinfônico” de 3 partes chamado Exogenesis, algumas músicas com influências diversas e a influência visível de Queen (em United States of Eurasia), eu espero MUITO. Muitas pessoas não gostaram do que ouviram, mas eu sou aberta a inovações e acho que uma banda deve sempre se reinventar, né?

E saiu a preview de 30 segundos de cada música, aqui para vocês, com as letras dos trechos (menos Upriging e United States of Eurasia, que já têm a letra em sites diversos e podem ser escutadas na íntegra por aí. USoE pode ser baixada no site do Muse e Uprising ser ouvida de graça lá também, assim como outros singles deles.)

RESISTANCE: Hide the truth inside,
It could be wrong, could be wrong,
But it should’ve been right,
It could be wrong, could be wrong,
To let our hearts ignite,
It could be wrong, could be wrong,
Are we digging a hole?
It could be wrong, could be wrong,
This is outta control,
It could be wrong, could be wrong,
It could never last,
It could be wrong, could be wrong,
Must erase it fast,
It could be wrong, could be wrong,
But it could’ve been right,
It could be wrong, could be wrong

UNDISCLOSED DESIRES: Please me
Show me how it’s done
Trust me
You are the one
I want to reconcile the violence in your heart
I want to recognise your beauty…

GUIDING LIGHT: You were my guiding light…

UNNATURAL SELECTION: …won’t just fall
Lucky they don’t care at all
And no chance for fate,
It’s unnatural selection,
I want the truth, I want the truth,
I want the truth! I want the truth!

MK ULTRA: How much deception can you take?
How many lies will you create?
How much longer ‘til you break?
Your mind’s about to fall
And they’re breaking through
They’re breaking through

I BELONG TO YOU:When she attacks me like a Leo
When my heart is split like Rio
And I assure you my debts are real
I can’t find the words to say
When I’m confused I travel half the world to say…

EXOGENISIS: OVERTURE: …the edge of all our fears

EXOGENISIS: CROSS POLLINATION: We are counting on you,
It’s up to you,
Spread out close to the stars,
You must rescue us all,
Spread…

EXOGENISIS: REDEMPTION: Let’s start over again,
Why can’t we start it over again?

Retirado da Comunidade Muse Brasil

O album é lançado oficialmente dia 14 de Setembro. O Muse vai tocar Uprising no VMA! ❤

Ah, e quando o Matt fala “Show me how it’s done” em Undisclosed Desires… ai meu deus!

Deixe um comentário

Arquivado em guia de resenhas., Livros, Música

Qual personagem da Austen você é??

I am Elinor Dashwood!

Take the Quiz here!

You are Elinor Dashwood of Sense & Sensibility! You are practical, circumspect, and discreet. Though you are tremendously sensible and allow your head to rule, you have a deep, emotional side that few people often see.

Sou a Elinor. Tá, eu já imaginava algo assim. Quando li Razão e Sensibilidade, me identifiquei horrores com ela… enfim… er… Eu queria ser a Elizabeth Bennet por motivos óbvios (MR. DARCY!!!)
Enfim^-^ É todo em inglês, façam e me digam o resultado!!

3 Comentários

Arquivado em Livros

Capas de Livros =D

Bem, dizem que não podemos julgar um livro pela sua capa. Mas ela conta para caramba, não é?
Hoje fui em uma livraria (não quero fazer propaganda dela) e chegando lá me deparo com A Rainha dos Condenados e Pandora, ambos livros da Anne Rice com capas novas!
E, convenhamos, capas novas de BABAR! Com certeza foi uma reformulação para seguir a onda de vampiros que vem crescendo com o fenômeno crepúsculo, visando tornar os livros mais atrativos para o público mais jovem, que em geral não conhece a nossa querida e obesa Anne Rice. Faz uma era que li as Crônicas Vampirescas, acho que pelo menos 4 anos desde o último que li (que foi Mennoch, se não me engano). É uma série que eu realmente recomendo para quem gosta de vampiros. A forma como a Anne descreve seus personagens, como almas atormentadas pela imortalidade e que encontram a fuga nas mais diversas coisas é fantástica. O Lestat é um personagem fantástico e passa pelas mais diversas peripécias.  O Armand é fascinante e também o é Marius. Gabrielle, Jesse, Mekara e outras mais também são personagens ricas. Enfim, recomendo.

Voltando ao assunto das capas, aqui estão elas, com a antiga e a nova respectivamente:

Continuar lendo

12 Comentários

Arquivado em Livros

Eu queria um título legal pra esse Post…

nerdgirl…mas não consegui. A minha criatividade anda minada pelas provas. É, vejam bem, as provas são parte fundamental da minha vida e guiam o que eu faço. Se eu vou no cinema é porque provavelmente não tenho provas. Se eu termino um livro é porque eu deixei de lado um tempinho de estudar e o usei para ler.
O melhor de tudo é que não é por opção, sabe? Ou eu estudo muito e passo arrastando na média (às vezes não passo) ou não estudo e repito tudo e meu IRA (índice de rendimento acadêmico) despenca ainda mais (ele tá 3.00 de 5.00 =/)

Até hoje esse é o padrão. Por isso meio que me irrita quando certas pessoas vem para mim e dizem “você é tão inteligente!” só porque eu faço engenharia elétrica. Se eu fosse inteligente mesmo, ia fazer alguma coisa que não me desse tanto trabalho e me divertir fazendo outras coisas u.ú
Não que eu não goste, óbvio que gosto. Mas que dá trabalho demais da conta, dá sim!
Vamos analizar um diálogo comum que eu tenho quando alguém me revê depois de muito tempo (tipo uma tia)  ou ainda me conhece:
– Ah, o que você faz?
– Engenharia Elétrica.
– Como você é inteligente! Deve ser difícil! (uma variante é: “Você é doida!” e eu particularmente prefiro essa.)
– É, é difícil…
– Mas aposto que você passa em todas com nota 10!
– Er… na verdade eu já repeti (insira aqui a lista de matérias que você repetiu)
– Ah, é? Mas… nas outras você deve ter passado com 10! (elas se recusam a acreditar que você pode repetir uma matéria)

Observem que as pessoas se negam a acreditar que você possa ter repetido porque a) você é burra; b) você não estudou ou c) a matéria era fácil, mas o professor sacana (meu caso em todas as matérias que repeti). Isso me irrita muito! Por que as pessoas acham que você é mais inteligente por ter escolhido fazer uma Engenharia? Acho que ninguém fala para uma pessoa que faz Economia, Letras, Administração ou até mesmo Direito que elas são inteligentes só por ter escolhido o curso! Já se você escolhe medicina ou engenharia, já vêm com um “ah, como você é inteligente… ” Aliás, o que é inteligência!? Só porque eu tenho uma habilidade em manipular números (que são abstrações, diga-se de passagem) conforme minha vontade eu sou mais inteligente do que alguém que sabe o significado etimológico de várias palavras? Só porque eu sei como uma droga de um circuito funciona eu sou mais inteligente do que uma pessoa que sabe tudo sobre história do Brasil? Isso me deixa MUITO puta! Agora, se dissessem “ah, você é esforçada”, tudo bem. Mas teriam que dizer isso para todo mundo, porque fazer uma graduação não é fácil para ninguém que leve a sério. Eu brinco falando que história é moleza, mas com certeza não é. Cada curso exige uma habilidade diferente e as pessoas que levam a sério têm que dar o melhor de si para serem bem sucedidas!
Agora, se a pessoa é como alguns colegas meus que não sabem quando é a prova, não estudam para ela e chegam lá e se dão mal, não mereciam nem estar numa universidade pública, gastando os impostos dos outros e ocupando a vaga de uma pessoa interessada. Eu falo mesmo. Se você não se interessa pelo que tá fazendo, por que tá ali? Observem que eu não estou falando de alguém que está desanimado com o curso, que se decepcionou ou ainda alguém que se esforçou mas não passou. Estou falando das pessoas que entraram com facilidade e não dão o valor real para o que estão fazendo ali e para a oportunidade que têm.  Não estudar direito para uma prova pode ser descuido, mas não estudar nada já é descaso.  Tem tanta gente que se mata para conseguir uma vaga numa federal e aí vem uns palhacinhos e empurram as coisas com a barriga?
Ressalto mais uma vez que falo das pessoas que fazem isso sem motivo. Se a pessoa tem um problema familiar sério que a impeça de estudar (por exemplo, a mãe foi internada e ela passou a semana inteira no hospital) ou qualquer outro tipo de problema, é até justificável. Mas eu não admito que uma pessoa que tenha tempo livre não estude para a prova.

Enfim, estou revoltada, observem. Mas vocês não precisam ficar lendo mais sobre isso! Vamos comentar algumas coisas legais.
marc4Ontem eu fui para um concerto da ORCHESTRE NATIONAL DES CHAMPS-ELYSEES, que foi de graça no teatro nacional. Foi o primeiro evento em Brasília do Ano da França no Brasil. Foi tãão legal! Foi a primeira vez que eu vi uma orquestra ao vivo, assim, de pertinho e foi tudo o que eu sempre imaginei que seria! A sincronia é perfeita, o som é inacreditável e é muito interessante observar como os músicos reagem aos comandos do maestro. Quando ele mandava que fosse forte, se abaixando um pouco para frente, todos se envergavam em direção a ele, como se o imitassem! Foi um espetáculo belíssimo. Eles tocaram duas sinfonias,  a Sinfonia Escocesa de Mendelssohn e a Sinfonia Fantástica de Hector Berlioz!
Aqui, o quinto movimento da Sinfonia Fantástica do Berlioz, mas essa é da orquestra de Chicago:


marc4Terminei o Códex 632 e estou lendo agora Pegando Fogo, da Meg Cabot. O Códex é muito bom ,recomendo para quem quer aprender várias coisas (porque as inconsistências históricas apresentadas são verídicas, embora o resultado final não necessariamente seja) e para quem gosta de um bom livro investigativo. Não tem muita ação, mas a trama é muito envolvente.

marc4Obrigada a todos que comentaram! Leio todos os comentários com carinho e respondo aos que tem blog! E obrigada mais uma vez pelos elogios pelo conto^^. Bete, eu também te amo, criatura! E não fique com ciumes, Rena, tem Bell para todas ^-^ Beijos para as meninas da Galera Record que visitam e comentam!

E acho que só, que texto imenso! @___@

3 Comentários

Arquivado em Juízo, Livros, Música

Sobre Formaturas Infernais e companhia.

wmplayer202008-10-242017-46-04-2-3Então, a alguns dias atrás (tipo quatro?), eu postei um conto aqui que foi enviado para a promoção Formaturas Infernais. Hoje é o dia em que o resultado saiu. E adivinhem o quê?
Eu fiquei entre as cinco finalistas. Yeah, Man!!! That’s right! Eu sou a tal “Bárbara de Lima Morais” aí, por incrível que pareça. Então, eu decidi fazer um agradecimendo à lá Oscar e uma singela homenagem a quzombiesem me ajudou a fazer o conto.

Preparados??

Eu queria agradecer a minha mãe e ao meu pai, por terem me gerado.
À minha mãe e ao meu pai mais uma vez por terem me deixado assistir todos os filmes da disney até o video cassete quebrar. Eles foram a minha maior inspiração (!?!?!!?!).

Vem me dizer que não é assustador quando a floresta pega fogo em Bambi? Ou o gato da madrasta da Cinderela se chamar Lucifer??

Queria agradecer à minha irmã, que me deu várias idéias que eu queria usar no conto mas não pude. Elas eram:

1) Cheerleaders Zumbis
2) A Bruxa Má do Oeste
3) Mais Zumbis
4) pessoas morrendo impaladas. (tá, essa não foi ela que deu, mas foi uma dedução óbvia)

Agradeço também à minha consciência que me impediu de escrever milhares de página e inserir coisas de terror que talvez não fossem apropriadas ao público alvo da Galera Record.
Agradeço ao Eric Kripke e Supernatural, ao Stephen King e a todos os filmes de suspense que eu vi, principalmente 1408. Agradeço à Meg Cabot por me inspirar a escrever a às suas dicas e ao Bernard Cornwell. Citando o último: “Os diálogos fluem bem porque eu os imagino na minha cabeça e escrevo. “

Por fim, agradeço à tia Márcia, professora do Jardim III, que me ensinou a ler e a escrever e à minha avózinha, por contar histórias tããão legais desde que eu era pequena.

copia-de-ogaaalwljo-gpay_tmr44u4_e0arypjvkkg75h-oelbteymbi3o3xp0nq6omywmwgghm7aji9nz5g2xxp1i4cpdezyoam1t1uohrr40aiqcscubpifvmaebx7315 Passando da parte sentimental ao que interessa =O Ontem vi o 4.18 de Supernatural e a única coisa que eu tenho a dizer é… CARACA. Sério mesmo.  A temporada tá ficando animal, mas não consigo imaginar outro fim que não seja trágico =/

Amanhã vou ver o 4.19 o Cara, mal posso esperar pelo fim.
Tenho provas semana que vem, então tô meio corrida =/

Estou planejando continuar o conto o MAUHAUAHAU! Aventuras de Alice e Daniel em Las Vegas, lá vou eu! (mas só depois que terminar um cap. de Sinfonia Agridoce)

4 Comentários

Arquivado em Livros

Observações

Só uma, na verdade.

O Michael Sheen do meu conto não tem NADA a ver com o real. Eu só reparei que eles tinham o mesmo nome HOJE!!!! =O Vê se pode??

No mais, a prova de cálculo foi ótima. Depois posto alguma coisa útil aqui ._. deixa eu ir pra faculdade.

2 Comentários

Arquivado em Blog, Livros